elEconomista.es
Brasil
Bovespa
37.362,92
-1,76%
USDBRL
3,4764
+0,04%
Crudo WTI
47,77
+7,28%
Oro
1.177,59
+0,03%

Três grandes petrolíferas ficam de fora do leilão do pré-sal, informa diretora-geral da ANP

Agência Brasil - 16:11 - 19/09/2013
comentarios
    tagsMás noticias sobre:

    Três grandes empresas petrolíferas informaram que não vão participar do leilão do pré-sal do Campo de Libra, marcado para 21 de outubro: Exxon, British Petroleum (BP) e British Gas (BG). A disputa atraiu 11 empresas, que manifestaram interesse no processo, mas os nomes ainda não são conhecidos. O anúncio da desistência foi feito por telefone para a diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, que participou hoje (19) do Seminário Técnico-Ambiental para a 12ª Rodada de Licitações, em um hotel na zona oeste do Rio.

    ?Eu esperava 40 empresas. Mas existe um contexto mundial, situações muito específicas das empresas, que levaram a essa situação. Eu recebi telefonema de três empresas, que foram a Exxon, a BP e a British Gas, dizendo que não iam participar do leilão do pré-sal. Cada uma com uma particularidade?, relatou a diretora-geral da ANP.

    A área a ser licitada tem cerca de 1,5 mil quilômetros quadrados. O volume de petróleo recuperável deverá oscilar entre 8 bilhões e 12 bilhões de barris. Segundo o edital, os ganhadores da licitação deverão desenvolver as atividades de exploração de petróleo por quatro anos, prazo que poderá ser estendido, como prevê o contrato de partilha de produção. A Petrobras será a operadora única do pré-sal, pelo sistema de partilha, e a estatal terá direito a 30% do Campo de Libra, na Bacia de Santos.

    Otras noticias
    Contenido patrocinado

    Comentários 0


    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    <b>Atividade econômica do Brasil</b> abre o segundo semestre em queda
    <b>Governo</b> não tem como destinar <b>10% da receita bruta</b> arrecadada para a <b>saúde</b>