elEconomista.es
Brasil
37.362,92
-1,76%
4,1476
-0,48%
47,77
+7,28%
1.516,70
+1,16%

FMI terá grande satisfação de trabalhar com o Brics, diz Christine Lagarde

Agência Brasil - 15:26 - 17/07/2014
comentarios
    tagsMás noticias sobre:

    A presidente do Fundo Monetária Internacional (FMI), Christine Lagarde, transmitiu "felicitações" à presidente Dilma Rousseff pela reunião dos lideres do Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), efetuada em Fortaleza, nos ultimos três dias, e a pela criação do Arranjo Contingente de Reservas, que complementa a rede de proteção financeira mundial.

    Em carta à presidenta brasileira, Christine Lagarde disse que a equipe do FMI terá "grande satisfação de trabalhar" com o Brics, "com vistas a reforçar a cooperação entre todas as partes integrantes da rede internacional de segurança destinada a preservar a estabilidade financeira no mundo".

    A presidente do FMI lembrou que a instituição mantém relacionamento com todas as nações do Brics. "Esperamos fortalecer ainda mais a nossa cooperação futura. Tenciono também compartilhar publicamente a minha manifestação de apoio", acrescentou.

    Na última terça-feira (15), Dilma anunciou, na reunião do Brics, em Fortaleza, a criação do Banco de Desenvolvimento do Brics, que terá sede em Xangai, na China. A primeira presidência do órgão será de um representante da Índia.

    O Arranjo Contingente de Reservas dos Brics terá US$100 bilhões. Cada país vai contribuir com o fundo: China (US$41 bilhões); Brasil, Índia e Rússia (US$18 bilhões cada um); e África do Sul (US$ 5 bilhões). A eventual liberação dos recursos se dará por meio de operações de swap (troca), pelas quais o país solicitante receberá dólares e em contrapartida fornecerá sua moeda aos países contribuintes, em montante e por períodos determinados, segundo o Banco Central brasileiro.


    Comentários 0

    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    Consumidor diminui <b>procura por crédito</b>, informa Serasa
    <b>Rousseff</b> dice que la creciente inversión china en Brasil abre un futuro prometedor