elEconomista.es
Brasil
37.362,92
-1,76%
3,1930
+0,02%
47,77
+7,28%
1.275,63
+0,10%

Banco Central estima em 12% o crescimento do crédito em 2015

Agência Brasil - 13:26 - 27/01/2015
comentarios

    O chefe do Departamento Econômico do Banco Central (BC), Tulio Maciel, afirmou hoje (27) que a tendência do crédito tem sido de crescimento moderado. O estoque das operações de crédito ficou em R$ 3,022 trilhões em dezembro de 2014, com crescimento de 11,3% em 12 meses, abaixo da estimativa do BC, que era alta de 12% no acumulado do ano.

    Para 2015, a autoridade monetária também projeta crescimento de 12%. No fim de 2013, o saldo das operações de crédito cresceu 14,6%.

    Maciel destacou que, este ano, deve haver moderação no crédito para financiamento imobiliário. Em dezembro do ano passado, o saldo das operações de crédito imobiliário alcançou R$ 432,4 bilhões, crescendo 2% na comparação com novembro e 26,7% no acumulado do ano.

    ''[O financiamento de imóveis] ainda vem crescendo a taxas importantes, mas mostra moderação mês a mês'', disse Maciel. Ressaltou que, apesar de acima da média, as taxas de crescimento são menores que em anos anteriores.

    Ele acrescentou que o aumento das taxas de juros tende a afetar os empréstimos imobiliários. Tulio Maciel salientou, no entanto, que os preços dos imóveis são outro fator de influência e que a tendência é uma alta em ritmo menor nesses valores.

    Este mês, a Caixa Econômica Federal anunciou reajuste dos juros do financiamento da casa própria. A justificativa foi o aumento na Selic, taxa básica de juros na economia, que era 11,75% ao ano no momento do anúncio. Depois disso, a Selic sofreu mais um ajuste e está fixada em 12,25% ao ano.

    Contenido patrocinado
    Otras noticias

    Comentários 0

    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    Cresce o pessimismo dos empresários da construção civil, diz pesquisa
    Vendas em supermercados aumentaram 2,24% em 2014