elEconomista.es
Brasil
Bovespa
37.362,92
-1,76%
USDBRL
3,4230
0,00%
Crudo WTI
47,77
+7,28%
Oro
1.184,24
+0,05%

Previdência e ajuda a setor elétrico pressionaram gastos públicos em janeiro

Agência Brasil - 19:06 - 26/02/2015
comentarios

    O pagamento dos benefícios da Previdência Social e a última parcela de ajuda à Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) foram os principais fatores que pressionaram os gastos públicos no mês passado. De acordo com o Tesouro Nacional, as despesas da Previdência subiram de R$ 29,1 bilhões, em janeiro de 2014, para R$ 31,6 bilhões em janeiro deste ano, crescimento de 8,4%.

    Em relação à CDE, fundo que subsidia as tarifas do setor elétrico, o governo pagou R$ 1,25 bilhão no mês passado, valor 81,5% maior que o gasto em janeiro de 2014 (R$ 688,7 milhões). De acordo com o secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, os recursos vieram de restos a pagar de 2014 - verbas autorizadas no ano passado gastas neste ano - e representaram a última parcela de ajuda do governo às empresas de energia.

    ''Como anunciado pelo ministro [Joaquim Levy] no início do ano, o governo deixou de fazer aportes à CDE com recursos de 2015'', declarou o secretário. A medida representará economia de R$ 9 bilhões para o governo neste ano. Dessa forma, os gastos com a CDE, que eram cobertos com recursos públicos, foram transferidos para a conta de luz dos consumidores.

    No mês passado, as despesas totais do Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) somaram R$ 92,5 bilhões, com crescimento de 2,8% em relação a janeiro de 2014. As despesas do Tesouro, mesmo com o aporte à CDE, ficaram estáveis e subiram apenas 0,1% na mesma comparação.

    ?Do lado do Tesouro Nacional, estamos cumprindo a promessa de controlar os gastos públicos. O crescimento está próximo de zero. As despesas da Previdência aumentaram principalmente por causa do aumento do salário mínimo?, explicou Saintive.

    A maior fonte de ajuste de gastos no Tesouro Nacional foram os investimentos federais ? obras públicas e compra de equipamentos ?, que somaram R$ 7,7 bilhões no mês passado e caíram 30,8% em relação a janeiro de 2014. As despesas com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) totalizaram R$ 4,7 bilhões, com queda de 34,5%. Também contabilizados como investimentos, os gastos com o Programa Minha Casa, Minha Vida somaram R$ 1,9 bilhão, com recuo de 16,9% na mesma comparação.

    Os gastos de custeio ? manutenção da máquina pública ? continuaram a crescer em janeiro. Somaram R$ 22,3 bilhões, com alta de 14,9% em relação ao mesmo mês de 2014. Segundo Saintive, o crescimento no custeio foi motivado por despesas herdadas da gestão anterior. ?Temos o compromisso de pagar as despesas já realizadas. A equipe econômica está imbuída de executar os gastos feitos anteriormente?, afirmou.

    Otras noticias
    Contenido patrocinado

    Comentários 0


    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    Governo Central registra superávit primário de R$ 10,4 bilhões em janeiro
    Órgãos federais poderão gastar até R$ 75,2 bilhões no primeiro quadrimestre