elEconomista.es
Brasil
Últimas notícias
37.362,92
-1,76%
3,1369
-0,11%
47,77
+7,28%
1.334,21
-0,11%

Nova Câmara, velhos hábitos

João Varella - 12:34 - 2/02/2015
comentarios

    ANÁLISE - O governo não tem voz na Câmara. Pelo bem da governabilidade e para evitar um mal maior, o jeito é apelar para a propina, tendo em vista que o dueto clássico do fisiologismo (emendas & cargos) já não basta.

    Espero que você tenha discordado do raciocínio acima, pois daí surgiram Mensalões e Petrolão. Será que vamos ter um lamentável replay agora que os deputados perderam o medo do Poder Executivo?

    A derrota em primeiro turno do candidato governista à presidência da Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), expôs a fraqueza da articulação política dos arautos da presidente Dilma Rousseff. Agora, o PT não tem nenhuma cadeira na Mesa Diretora e deve perder espaço nas principais comissões. Está claro que dá para pedir mais para ela, que vende barato o que é caro.

    Da boca para fora, o novo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), fala em não ser submisso nem oposição, o que inspiraria uma salutar independência. Porém, sua plataforma teve como um dos motes o Orçamento impositivo, que obriga o governo a executar as emendas dos parlamentares.

    Ou seja, em plena época de contenção de gastos, o Legislativo quer esbanjar dinheiro público para fazer politicagem. Apadrinhar obras é uma propaganda e tanto para continuar mamando nas tetas do governo.

    Quem esperar alguma criatividade/proatividade da Câmara para enfrentar a crise hídrica, energética, fiscal e previdenciária vai se decepcionar. Não querem nem saber desses assuntos.

    Não se trata de autismo. Os parlamentares têm um egoísmo canalha mesmo.

    A esperança da situação reside no Senado, comandado há um bom tempo por Renan Calheiros (PMDB-AL), o político que bate ponto em cada escândalo de corrupção.

    Que começo de ano, Brasil.

    *****


    João Varella é editor do El Economista América e repórter da revista IstoÉ Dinheiro. Fundou a editora Lote 42 e o site Trilhos Urbanos. É autor de três livros, sendo o mais recente 42 Haicais e 7 Ilustrações.  Escreve semanalmente neste espaço. O presente artigo não reflete necessariamente as opiniões do El Economista América.

    Contenido patrocinado
    Otras noticias

    Comentários 0

    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    Preços ao consumidor avançam na última semana de janeiro
    La FAO alerta de que la sequía en Brasil puede provocar escasez de alimentos