elEconomista.es
Brasil
37.362,92
-1,76%
3,1726
-0,01%
47,77
+7,28%
1.269,04
+0,42%

Temer e cúpula do PMDB ouvem Joaquim Levy sobre medidas de ajuste fiscal

Agência Brasil - 11:22 - 24/02/2015
comentarios
    tagsMás noticias sobre:

    Presidente nacional do PMDB, o vice-presidente da República, Michel Temer, disse ontem (23) que a presidenta Dilma Rousseff pode contar ''seguramente'' com o partido para votação das medidas propostas pelo governo para ajuste da economia.

    Com o objetivo de mediar o diálogo do PMDB com a equipe econômica, o vice-presidente se reunirá com os ministros da área e a cúpula do partido para discutir as medidas recentemente enviadas ao Congresso Nacional modificando o acesso a benefícios previdenciários e trabalhistas.

    Segundo ele, a conversa é o ''primeiro passo para que o ajuste fiscal possa ser vitorioso no Congresso''. Hoje à noite, ele oferece, no Palácio do Jaburu, um jantar aos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa, ao presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, lideranças do PMDB, como os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros, além de membros do partido no primeiro escalão.

    ''Espero que ele [Joaquim Levy] possa ser convincente com os argumentos que apresentará, já que, para o Brasil, é importantíssimo o ajustamento fiscal'', afirmou.

    Para Temer, é preciso começar o diálogo com as lideranças do PMDB sobre o assunto. Apesar de a decisão caber ao Congresso Nacional, reconheceu que, ''em economia, as coisas se passam dessa maneira''. ''Em dado momento, é preciso fazer reajustamentos, uma reprogramação para que a economia continue saudável'', acrescentou o vice-presidente.

    Além das duas medidas provisórias enviadas ao Congresso, modificando regras para concessão de benefícios como seguro-desemprego, abono salarial, seguro-defeso, pensão por morte e auxílio-doença, durante o encontro também será debatida a correção na tabela do Imposto de Renda.

    Aprovado pelos parlamentares, o percentual de 6,5% na tabela foi vetado por Dilma Rousseff em janeiro. A presidenta defende um reajuste de apenas 4,5%. Para Temer, o governo continuará e intensificará o diálogo com o Congresso para que haja um ajustamento também nessa matéria.

    Otras noticias
    Contenido patrocinado

    Comentários 0

    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    Testemunha na Operação Lava Jato pede cancelamento de audiência
    PMDB vai apoiar as medidas de ajuste fiscal, diz Kátia Abreu