Firjan insiste na redução dos gastos públicos ao comentar alta dos juros - eleconomistaamerica.com.br

Firjan insiste na redução dos gastos públicos ao comentar alta dos juros

Agência Brasil - 9:22 - 4/12/2014
comentarios
    tagsMás noticias sobre:

    A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) voltou a defender a redução dos gastos públicos para o controle da inflação, em nota divulgada na noite de ontem (3) sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de aumentar em 0.5 ponto percentual a taxa de juros básicos. ''A solução, definitivamente, não se resume a aumentar ainda mais a taxa de juros, e sim a reduzir a pressão fiscal decorrente dos exagerados gastos públicos'', diz a nota.

    De acordo com a Firjan, o cenário para a política econômica é desafiador, já que a economia brasileira deve encerrar 2014 com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) próximo de zero e inflação muito perto do teto da meta estabelecida. ?Para 2015, as expectativas apontam para crescimento do PIB inferior a 1% e inflação ainda mais elevada, em especial por causa da necessidade de correção dos preços administrados?, frisa a entidade.

    Ainda na nota, a Firjan se mostra otimista em relação à equipe econômica do segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff. ''O anúncio da nova equipe econômica renova as perspectivas de maior alinhamento entre as políticas monetária e fiscal, o que permitirá ao país reduzir a inflação sem impor custos elevados em termos de investimentos, produção e geração de empregos''.

    ''Só com retorno à transparência e diminuição dos gastos de natureza corrente será possível retomar a confiança de empresas e consumidores e, assim, abrir espaço para a retomada do crescimento'', conclui a nota da Firjan.


    Comentários 0

    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    Brasil endurece política monetaria para fortalecer la confianza de inversores
    Sindicatos de trabalhadores e patronal criticam elevação da Selic