elEconomista.es
Brasil
37.362,92
-1,76%
4,1223
-0,05%
47,77
+7,28%
1.475,39
+0,07%

O que esperar do 4G no Brasil?

elEconomista América - 11:46 - 29/04/2013
    tagsMás noticias sobre:
    Foto de divulgação do lançamento do serviço de 4G da operadora Oi

    A chegada da internet móvel de quarta geração (4G) no Brasil é apontada pelas operadoras de telefonia como um ?divisor de águas?. Graças a alta velocidade de transmissão de dados, a experiência de quem acessa à internet pelo celular será aprimorada. No entanto, a maioria dos usuários ainda não está totalmente informado sobre a cobertura, modelos de aparelhos, planos e problemas do novo serviço. Assim, selecionamos alguns pontos para explicar o que esperar do 4G no Brasil.

    Cobertura

    Até 30 de abril, Vivo, TIM, Claro e Oi terão redes de quarta geração funcionando em ao menos seis capitais do País. A cobertura nestes locais foi uma exigência do leilão realizado pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em julho de 2012, que disponibilizou as frequências da conexão do 4G. Assim, este prazo foi imposto às operadoras que compraram lotes nacionais, que têm a obrigação de oferecer o serviço em 50% do território urbano das seis sedes das Copa das Confederações: Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife e Salvador.

    A cidade de São Paulo, maior mercado de telecomunicações do País, já é atendida pela Claro. Além dela, a Vivo sinalizou que vai lançar serviço na capital paulistana no dia 30 de abril. TIM e Oi ainda não se pronunciaram sobre antecipação do 4G na capital paulista ou em outras cidades além daquelas cuja cobertura são obrigatórias.

    Além do prazo de 30 de abril, todas as operadoras devem ativar a rede de quarta geração até 31 de dezembro nas cidades de São Paulo, Porto Alegre, Cuiabá, Curitiba, Manaus e Natal, que vão receber os jogos da Copa do Mundo de Futebol da Fifa em 2014.

    A Claro se antecipou e já começou a atender São Paulo, o maior mercado de telecomunicações do País. A operadora também já disponibiliza o serviço em Búzios, Campos do Jordão, Curitiba, Parati e Porto Alegre.

    Aparelhos

    Apenas 11 modelos de aparelhos compatíveis com o 4G foram homologados pela Anatel até abril, mas nem todos os smatphones autorizados estão à venda nas lojas brasileiras. Já é possível adquirir quatro celulares com a nova conexão: Galaxy S3, Galaxy S4 (cuja pré-venda começou no dia 27), Razr HD e Lumia 920.

    Quem não tiver um destes aparelhos não terá acesso à conexão ultrarrápida do 4G porque os outros smartphones vendidos no País não estão habilitados para usar a frequência de 2,5GHz, o padrão da rede 4G no Brasil.

    Planos

    As operadoras que já lançaram os serviços, Oi e Claro, apresentaram ofertas diferentes para acesso a partir de mini modens e smartphones. Todos têm limite mensal de consumo de dados, o que gerou polêmica com órgãos de defesa do consumidor (ver abaixo).

    Para quem quiser conectar computadores com auxílio de mini modem, o cliente da Claro pagará R$ 99 em um plano de 5 gigabytes e R$ 199,90 por 10 gigabytes. A Oi lançou apenas franquia de 10 gigabytes, que custará R$ 188 por mês. O mini modem 4G da Claro varia entre R$ 119 (5G) e R$99 (10G), o aparelho da Oi será vendido por R$ 100, com chip gratuito.

    Para smartphone a Claro terá plano de 5 gigabytes com custo de R$ 99,90. Clientes da operadora podem escolher outros planos que aliam os serviços de internet a telefonia e mensagens. Nesses casos, a franquia de dados de 5 gigabytes variam entre R$ 217,90 e R$ 403,72.

    Pelos mesmos 5 gigabytes Oi cobrará R$ 98 por mês. A operadora informou que clientes que migrarem para o 4G podem ter desconto de R$ 300 na aquisição de um aparelho.

    Telefônica Vivo e Tim ainda não fizeram o lançamento do 4G nem divulgaram informações sobre os planos que vão oferecer ao mercado.

    Dificuldades dos clientes

    O preço dos aparelhos é um dos maiores impedimentos para a adesão de clientes à nova rede. Hoje o aparelho 4G mais barato tem preço médio de R$ 1.240. Mas o governo brasileiro tem sinalizado que pretende estimular o uso da rede 4G. Em março, a presidente Dilma Rousseff e o Ministério da Fazenda aprovaram a isenção de PIS/Cofins para smartphones com preço máximo de R$ 1.500. A medida é uma tentativa de incentivar a fabricação e o acesso aos aparelhos mais sofisticados no Brasil.

    Os turistas estrangeiros que vierem ao Brasil a passeio só poderão usufruir da conexão de quarta geração se comprarem planos e chips das operadoras que atendem o mercado brasileiro. A informação foi divulgada pelo COO da Oi, James Maeney, durante o lançamento do 4G da Oi na cidade do Rio de Janeiro (25). O executivo explicou que nenhumas operadora do Brasil fez acordo de roaming com prestadoras de serviço de telefonia internacionais para o 4G, portanto, os estrangeiros que vierem acompanhar os jogos da copa das Confederações em junho, por exemplo, que por ventura tiverem planos em seus países e smartphones compatíveis com a tecnologia do 4G, vão usar internet oferecida pela rede 3G.

    Outro problema que já afeta o 4G é a contestação de órgãos de defesa do consumidor ao serviço, que contestam a limitação na quantidade de downloads. Claro e Oi anunciaram a venda de planos com limite de uso que varia entre 10 gigabytes e 5 gigabytes. Depois que os clientes consomem este pacote a velocidade das conexões cai para 512 kbps. A Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste) acredita que a limitação de downloads abreviará a alta velocidade, que seria a maior vantagem do novo serviço. O órgão anunciou que vai entregar um ofício à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), as ofertas que já foram anunciadas pelas operadoras.


    Síguenos en twitter
    Síguenos en Facebook

    Más leidas

    eAm
    Colombia
    Mexico
    Chile
    Argentina
    Peru

    Liga Brasileña 2013-14

    MMX tem prejuízo líquido de R$ 55,2 milhões no 1.º trimestre
    Lucro da <b>Ambev</b> chega a R$ 2,34 bilhões no 1º trimestre, alta de 1,79%